Atualizado 10h07 Sexta, 30 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Cotidiano

"Solitariedade"

461 acessos - 4 comentários

Publicado em 03/01/2012 pelo(a) Wiki Repórter Dourovale, Carapicuíba - SP



Apesar de morar em Carapicuíba e ter viajado muito nesses últimos tempos, sou extremamente paulistano. A minha óptica do mundo sempre parte do Marco Zero da Praça da Sé. Eu sempre digo, quando volto de alguma viagem, que quem sabe viver em São Paulo sabe viver em qualquer lugar.
Por razões como essas é que penso {(talvez até de forma errada, afinal não sou dono de nada, muito menos da VERDADE) + (mas, não ser dono da VERDADE, não significa que falo a MENTIRA) = (falo a minha forma de entender o mundo)}... Por essas razões é que penso que as pessoas estão envelhecendo cada vez mais sozinhas. A quantidade de pessoas morando sozinhas e de forma solitária, no centro de São Paulo, é enorme.

Sabendo disso te convido pra uma fantasia. Não fantasia de conto de fadas. Fantasia de se permitir imaginar a cena que narrarei...

Já choveu forte à tarde. Agora que a noite reina, há alguma garoa. Talvez num futuro de minutos caia chuva. A mulher de roupa escura entra na Igreja do Carmo para participar um pouco da vigília. Mesmo que queriam que ela passe a noite lá, irá embora lá pelas 23.

Quando sai às ruas estão vazias. A lanchonete, que fica aberta a noite toda, fechou. Nem os pedintes, nem a polícia, nem gente com pressa, nem ninguém pra dar medo ou segurança. Talvez o pessoal do metrô esteja trabalhando... mas estão sob o asfalto e não é possível vê-los da rua. A drogaria aberta, mas a caixa não é a de toda noite e ela está distraída com um fone-de-ouvido. A Paulista não está longe, mesmo assim não se ouvem os barulhos de lá. Um carro eventual faz o agradável barulho dos pneus se espremendo no asfalto molhado.

Prédio sem porteiro. Os vizinhos devem ter saído. A porta precisa de umas gotas de óleo. A luz ainda é amarela. O sapato é macio e não machuca o fino carpete de madeira. Optou por deixar a televisão desligada. Conferiu a bateria do celular. Verificou se o telefone fixo tem linha. Não pensou em ligar pra nenhuma amiga. Todas estão na vigília ou em casa com a família. Recusou os convites de passar o ano com uma família emprestada. Estava bem assim!

Olhou tudo em volta. Lembrou da sala cheia, dos filhos brincando, do marido bravo e ausente, da sogra, do sogro, da irmã e o marido, os sobrinhos que bagunçavam com os filhos. Lembrou de rabanada, de carne assada, da semana de preparativos, do molho com vinho...

Deixou de bobagem e foi pro banho. O corpo envelhecido já vira muitos dias 31 de dezembro se transformarem em primeiro de janeiro. Acha que já fora feliz!

A camisola não é nova, não motivo pra novidade. Reviveu os pijamas da infância, as roupas novas pra mudança do ano, as bolachas feitas em casa, Pai, Mãe, Avós, primos e irmãos e irmã, as brincadeiras, o respeito com os mais velhos. Sabia que antes ninguém ficava sozinho tendo família. Era respeito, compaixão. Era saber quem se podia confiar. Era valorizar as pessoas pelo que já haviam feito.

Sentou-se à mesa. Duas frutas que gosta muito. Comeu devagar. Ouviu os fogos da Paulista. Pensou, meio vazia, que o ano era novo.

Conferiu a bateria do celular. Verificou se o telefone fixo tem linha. Tudo em ordem.
Foi dormir.

Parece que ouvia o filho pedir pra dormir com ela. Ele tinha medo e ninguém poderia saber.
Parece que sentia a filha lhe pedir pra fazer cachinhos quando acordarem e era pra ela não esquecer.

Acendeu a luz. Pensou ter ouvido o telefone tocar.

Silêncio!

Dormiu.

Acordou cedo e sem pressa pra um dia sem ter aonde ir. Nem sinal de vida dos filhos, nem pra saber se ela ainda está viva. Ela não sabe que a “mais valia” não é só coisa de economia. Na consciência de hoje, somos enquanto valemos. Quando não mais nos precisam... (melhor nem dizer). Se algum dia precisarem de algo, eles ligam.

Ela está viva e assim será por muito tempo, eu sei.

O resto do ano já sabe como fazer, como ocupar o tempo e o pensamento. Mas essa coisa de fim-de-ano... puxa, isso chateia a gente!

Dourovale (Dorival Cardoso Valente)

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
Dourovale
Carapicuíba - SP



Comentários
01
Reporte abuso
Dorival
carapicuíba 13/01/2012

Gostei do comentário.

Obrigadão, Franco!


 
02
Reporte abuso
Osmar Franco
São Paulo 13/01/2012

Infelizmente a sociedade está se encasulando dentro destes valores egoísticos e utilitaristas... nos resta aguardar pelas borboletas que mudarão isso...

Texto bacana, Dorival!

Abraço!


 
03
Reporte abuso
Dourovale
carapicuíba 08/01/2012

Eliz!

Que bom que você se emocionou!
A senhora desse texto ainda espera a ligação de algum filho.

Que este ano lhe seja fELIZ!


 
04
Reporte abuso
Elizete
Juiz de Fora 05/01/2012

Adorei, voce sempre me emociona, essa solidão acompanha os corações sensiveis, e a euforia das festas de final de ano sempre nos deixa assim, melancolicos. Os filhos crescem e seguem seu destino e nos continuamos assim, tocando o barco. beijos Eliz.


Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br