Atualizado 23h07 Sábado, 24 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Política

Jean Wyllys recebe ameaça de morte pela rede social

836 acessos - 3 comentários

Publicado em 17/09/2011 pelo(a) Wiki Repórter Roberto Leal, Salvador - BA



Deputado quer tirar comunidade do ar - Foto: Internet
 
Uma comunidade na rede social do Orkut prega a morte do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ). Com palavras de baixo calão e ameaças virtuais ao deputado, a comunidade incita ainda o ódio a gays e lésbicas. Com o título ’Morte a Jean Wyllys’, a comunidade existe desde 8 de setembro e até esta sexta-feira, 16, contava com 20 usuários cadastrados.
Procurado pelo Estadão.com.br, o deputado disse que as ameaças não são novas, mas a comunidade sim. “Ajuizei uma ação contra a pessoa que é dona da comunidade. Essa pessoa tem um site que prega pedofilia com meninas. Ajuizei no Ministério Público e enviamos uma carta do Google pedindo que o site fosse tirado do ar.”

O deputado conta que recebeu como resposta uma carta dizendo que “a página não contrariava as políticas do grupo e por isso eles não poderiam tirar a página do ar”. Por conta disso, Wyllys diz que entrará também com uma ação contra o Google e o Orkut. “As pessoas que aderem a essa comunidade também podem ser acionadas por formação de quadrilha”, enfatiza o deputado.
Para Wyllys, o motivo do ódio é por conta da bandeira que ele defende. “É uma reação porque eu defendo os diretos de LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) e a liberdade de crença, no sentido do direito de proteger a fé”, argumenta.
Ação articulada. Para o deputado, que tem formação cristã e é ligado ao movimento pastoral, existe uma corrente fundamentalista cristã por trás desses ataques. “Não quero responsabilizar os cristãos em geral, mas se você olhar as biografias (dos donos da comunidades) tem sempre um cunho religioso fundamentalista”, pontua.
Uma ação efetiva da Polícia Federal combinada com a conscientização do uso da internet minimizaria o problema. “A PF tem de tornar mais eficazes os instrumentos de investigação para identificar essas pessoas. Isso teria um efeito muito pedagógico”, pontua.
Apesar de ter sido alvo de ataques dessa natureza desde que assumiu o mandato, o deputado destaca que a internet é um terreno livre para o exercício da democracia e da dissidência saudável. “Não sou favorável a nenhum tipo de lei que restrinja a liberdade de expressão na internet. Sou absolutamente a favor de que a internet não seja terra de ninguém. As pessoas identificadas praticando crime de injúria, calúnia, difamação, ameaças de morte, incitação ao ódio, uma vez identificadas pela PF, elas têm que ser punidas assim como os pedófilos são punidos”, prega.
Google. Procurado pelo Estadão.com.br, o Google disse que não se pronuncia sobre casos específicos. “O Google não comenta casos específicos. No entanto, cabe esclarecer que o Google não é o responsável pelo conteúdo publicado na Internet, mas oferece uma plataforma tecnológica sobre a qual milhões de pessoas criam e compartilham seus próprios conteúdos e acredita que essa liberdade de expressão é um dos fatores que tornam a Internet tão rica e útil para a sociedade. Os casos de uso indevido dessa liberdade são punidos com a remoção dos conteúdos ilegais identificados, mas o Google não exerce controle prévio sobre os conteúdos criados pelos usuários nem fará o papel de polícia ou de juiz em relação aos conteúdos criados.
 

Fonte: Agência Estado

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
Roberto Leal
Salvador - BA



Comentários
01
Reporte abuso
Valdeck Almeida de Jesus
Salvador-BA 20/09/2011

Este é preço que se paga pela honestidade. Se fosse um deputado como os outros, ninguém iria querer ameaçar. Mas quem luta em defesa da vida e das minorias, como Jean Wyllys tem feito em toda a sua vida, seja no jornalismo, na docência superior, na militância lgbt, na literatura, na política partidária etc.

O Ministério Público Federal tem que se manifestar. Cadê as entidades de defesa dos direitos humanos, onde estão?

Valeck Almeida de Jesus
Jornalista, Escritor e Poeta


 
02
Reporte abuso
moises
SP 19/09/2011

é uma pena esta mentalidade,já dizia a música dos momonas assassinas,gay tambem é gente baiano fala onxente............gauho tanbem pode.....boneca sibernética o rôbocope gay.
Samos filhos do mesmo Deus.Deus manda praticar o amor,todos tem parentes e amigos,filhos,só se nasce homem e mulher ser gay,ladrão,prostituta,drôgado,se é opção,escolha não vejo iso nem um mal cada um no seu quadrado.
na verdade devemos respeitar pra sermos respeitado e amar pra sermos amados.Ame como Deus ama.


 
03
Reporte abuso
melany
pedreira sp 18/09/2011

que absurdo o google manter essa cretina página assassina...vida longa para o amoroso e verdadeiro Wyllys.


Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br