Atualizado 18h47 Sábado, 07 de setembro de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Política

DIÁLOGO DE SURDOS - Márcio Accioly

363 acessos - 0 comentários

Publicado em 14/09/2011 pelo(a) Wiki Repórter accioly, Brasília - DF



Há quem acredite que a presidente Dilma Roussef (2011-?) não irá enganar durante tanto tempo quanto o antecessor Dom Luiz Inácio (2003-2011). Num país onde a atividade política se vê mais e mais dominada por analfabetos e salafrários (diria melhor: safardanas), o que se considerava absurdo caiu no convencional.
Mas eis que a moça que conduz o programa Fantástico da Rede Globo, Patrícia Poeta, foi até o Palácio do Planalto e, mesmo sem demonstrar muita informação a respeito de nada, entrevistou a presidente naquilo que se traduziu em resultado dos mais vazios e vergonhosos de que se tem notícia.
Em 2001, quando assumiu a Prefeitura do Recife, o ex-serralheiro, fresador e caldereiro João Paulo Lima e Silva colocou a então primeira-dama, como de praxe, à frente da organização e representação de tradicional festa carnavalesca, o Baile Municipal. Tratava-se da 37ª edição do evento, reunindo a fina flor daquela sociedade.
O Baile tem parte de sua renda destinada a obras sociais: ajudando hospitais que tratam de câncer em crianças, a centros comunitários e a associações voltadas a atividades de assistência social. De maneira que os recursos arrecadados, pelo menos em termos parciais, alcançam objetivo plausível.
Resolveram então perguntar a primeira-dama, em Recife, como estava a arrecadação de recursos financeiros naquele ano e se dentro de expectativa existente. Ela respondeu que estava com a impressão de que “o apurado naquele ano ia ser bom”. Que, por enquanto, “não tinha nada que reclamar”.
Mutatis mutandis, não foi diferente a reação da presidente Dilma ao comentar a distância de apenas quatro minutos no trajeto entre o Palácio da Alvorada e o do Planalto, onde despacha: “-É bom morar perto do serviço”.
Ou quando utilizou inexistente vocábulo: “complementariedade”, querendo talvez expressar “complementaridade”, ao divagar de forma confusa a respeito de como acredita que os homens são:
“-Os homens têm capacidade de síntese, dão uma contribuição no sentido de ser mais, é, eu diria assim, objetivos no detalhe, eles sintetizam uma questão, a mulher analisa. Então, essa complementariedade (sic) é muito importante. Mulher é capaz, que senão não educava filho”. No blog do Augusto Nunes há um primor de dissecação.
Nesse diálogo, mais apropriado para interior de bodega em zona rural ou para centro de internamento psiquiátrico, revela-se despreparo monumental da presidente: mostrando-se incapaz de articular palavras e que jamais completa um só raciocínio seja qual for. A entrevista está toda no youtube e quem quiser pode conferir. Um desastre!
Mas o que se deve esperar de um país que já teve como ministro da Educação o falecido Paulo Renato (flagrado enviando artigo de sua autoria, que deveria publicar na Folha de S. Paulo, para submeter à aprovação de um banqueiro) e que agora tem Fernando Haddad no comando da importante pasta?
O Haddad é figura que Dom Luiz Inácio (PT-SP) quer empurrar goela adentro do povo de São Paulo como prefeito da Capital, depois de ter empurrado no Brasil a própria Dilma Roussef. Tais personagens refletem exatamente o país de hoje, com livros do MEC que respaldam o analfabetismo e cotas raciais nas universidades.
O país melhorou porque inventaram a internet no mundo. E apesar do deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB), tentar convencer seus colegas a votarem projeto que limita muita informação na rede, nós ainda tomamos conhecimento do que acontece e descobrimos camarilha que se encontra à frente de nosso rumo administrativo. O Brasil é um país triste e sem saída sob o jugo dessa gente.

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
accioly
Brasília - DF



Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br