Atualizado 19h27 Quinta, 12 de setembro de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Humor

"A figueira do cemitério"

504 acessos - 1 comentários

Publicado em 28/07/2011 pelo(a) Wiki Repórter ADhemyr, SÃO PAULO - SP



A FIGUEIRA DO CEMITÉRIO
(Adaptação de um texto popular)

Isso aconteceu numa cidade pequena, tranquila, na juventude de Juca e Joca, dois amigos inquietos e inseparáveis, desde a infância.
Àqueles tempos eram dois moçoilos sedentos por aventuras.
E uma destas aconteceu dentro do cemitério da própria cidadezinha.
Deu-se que justamente dentro do cemitério, ambos, numa tarde de domingo, em que não tinham nada que fazer, notaram que havia uma figueira, dessas grandes, bonita, carregadinha, carregadinha...
Um olhou para o outro; Juca coçou a cabeça, Joca esfregou as mãos.
Esperaram até que anoitecesse...

Tão logo caída a noite de domingo, veio também o silêncio, o que lhes era muito propício. Noite de domingo, cidade pequena; todos tendo que acordar cedo, logo dormiam cedo também... Isso caiu como uma luva aos planos dos parceiros Juca e Joca.
Vendo que não eram vistos, pularam rapidamente o muro do cemitério, já levando cada um a sua sacola, que tiveram tempo de arranjar nas horas modorrentas daquele entardecer interiorano.
Subiram logo na árvore carregadinha. E então começaram a apanhar os figos. Embora cada qual tivesse a sua sacola no ombro, enquanto apanhavam os frutos começaram numa fala divertida, (pelo menos para eles!) bem assim; assim bem:

---Um pra mim, um pra você! --- Dizia o Juca.
E o Joca repetia:
---Um pra mim, outro pra você!

E assim iam falando.
Em dado momento dois figos caíram do outro lado do muro.
E o Juca, que pelo jeito parecia liderar a dupla, alertou:
---Ô, você deixou dois figos grandes caírem do lado de lá do muro!
Então o Joca, não querendo falar muito (principalmente naquele local), só disse assim:
---Ah, depois que a gente terminar aqui, pulamos o muro e pegamos esses dois que você falou que caíram do lado de lá.
E o Juca, dando-se por compreendido, reiniciou o apanhar dos frutos, dizendo como antes:
---Um pra mim, um pra você!
E o Joca, repetindo:
---Um pra mim, outro pra você!

Aconteceu que neste justo momento um bêbado, que passava lá do outro lado do muro, portanto do lado de fora do cemitério, ouviu essa coisa de “um pra mim, um pra você; um pra mim, outro pra você”... Ficou bem espantado. E então apressou o passo como lhe era permitido naquela situação em que se encontrava; rumou para a delegacia. Contudo, chegou logo, e encaminhou-se para a autoridade:
---Dotô... Manda um dos seus vir comigo, Dotô! Deus e o diabo estão no cemitério, os dois, Dotô, e estão dividindo as almas entre si!...
---Sai pra lá, bêbado! Vá logo, senão mando prendê-lo!
---Prende eu não, Dotô! É verdade, eles diziam assim: “um pra mim, um pra você!”...

Tanto insistiu o bêbado, que o delegado apontou um policial grandão, desengonçado, cara de bravo, para acompanhar o pau d’água até o cemitério. Logo que chegaram, tanto o policial quanto o bêbado ouviram bem assim; assim bem:
---Um pra mim, um pra você!
E uma outra voz:
---Um pra mim, outro pra você!

E o bêbado, em sua destemperança, ainda observou:
---VÊ COMO SÃO ÍNTIMOS, ’SEO’ POLICIAL... SE TRATAM POR VOCÊ!...

E o soldado, todo assustadão em seu tamanhão:
---É verdade! Eles estão dividindo as almas! Deve ser o dia do Apocalipse! O que será que vem a seguir?

Então o bêbado pediu silêncio. Psiu...

E de novo ouviram:
---Um pra mim, um pra você!
---Um pra mim, outro pra você!

E ouviram também a seguir uma espécie de suspiro de alívio e de esfregar de mãos, quando um deles disse:
---Pronto! Acabamos por aqui! E agora?
E o outro respondeu prontamente:
---AGORA A GENTE VAI LÁ FORA E PEGA OS DOIS QUE ESTÃO DO OUTRO LADO DO MURO...

Aí o Policial grandão, parecendo desconjuntado, saiu em desabalada, tropeçando em tudo que era pedra, sarjeta, e até nas próprias pernas, e ainda gritando para o bêbado, que de tão assustado caiu de costas e que ainda lutava para se levantar:

---COOOOORRRRE!...

ADhemyr Fortunatto
Escritor
(Autor de “Toda Feminista Tem Um Machão no Coração)”.
Jornalista (Mtb 60.511/SP).
(JORNAL NOTÍCIAS – S. PAULO-SP – www.jornalnoticias.com.br)

[email protected]

Leiam outros textos de ADhemyr Fortunatto, acessando:
www.jornalnoticias.com.br (Colunas “BANANA & NANICA,” “COLUNA DO ADhemyr” e “COLUNA DO BODÃO”).
www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=ADhemyr
www.overmundo.com.br
www.paralerepensar.com.br/adhemyrfortunatto


Blog:
http://adhemyrfortunatto.blogspot.com





Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
ADhemyr
SÃO PAULO - SP



Comentários
01
Reporte abuso
Miriam Sales Oliveira
Salvador 28/07/2011

Kakkakaká
Que situação,amigo. Vc é mestre nos contos.
Abç


Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br