Atualizado 01h22 Sábado, 07 de setembro de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Cotidiano

Fantasma depõe em cidade do Rio Grande do Sul

1737 acessos - 4 comentários

Publicado em 12/11/2009 pelo(a) Wiki Repórter Viamão Hoje, viamao - RS



Espírito da vitima assassinada escreve carta inocentando réu em Viamão, no Rio Grande do Sul. - Foto: Web + Montagem do VH
Arqueólogos encontrarão uma pirâmide? Vão pousar discos-voadores? Vão encontrar alguma espécie de dinossauro ainda viva? Jesus voltará e irá morar na Santa Isabel? Pois parece que existe alguém ou algum complô que visa a anarquizar e desmoralizar com a imagem já gasta do município, com as noticias mais escabrosas que se possa imaginar.

Acreditem ou não, muitas noticias já estão superando o ficcional blog do Viamão Incrível, que era líder nesta área. São ônibus perdendo as rodas, criaturas misteriosas comendo ovelhas, meninas passando a noite com presos, tiroteios dentro de escolas a luz do dia, e muito, muito mais..

Agora o fato que voltou a tona é o caso de um crime ocorrido em 2006, mas cuja vitima que aparentemente morreu, pois esta enterrada, tenta inocentar o réu, no caso, sua mulher. Pois nesta ultima quarta-feira, o Tribunal de Justiça ficou de julgar se uma carta psicografada valeria ou não como prova em processos.


Voce não leu errado não. Uma carta psicografada nada mais é do que uma carta escrita por uma pessoas que já morreu, ou melhor, se escreveu é sinal que não morreu. Ou morreu?

Iara Marques Barcelos, de 63 anos, foi acusada de ser mandante de um homicídio ocorrido em Viamão em 2006. Na época, o júri popular acatou a carta, psicografada evidentemente por um mediun (pois o morto não pode comparecer), no conjunto de provas. Provas, isso mesmo.


Não queremos aqui condenar essa senhora nem dizer que o tal mediun acredita ter recebido uma mensagem do além, mas aceitar como prova, só mesmo em Viamão.

A carta teria sido ditada pela própria vítima, o tabelião Erci Cardoso, morto com dois tiros na cabeça, e passada para o papel evidentemente por um respeitável mediun. Curiosamente ou como já era de se esperar, o texto não aponta o responsável pelo crime, mas dá a entender que Iara é inocente. Todo mundo sabe, mesmo não sendo espírita, que depois que passamos para o outro lado, sabemos de tudo, podemos atravessar as paredes etc. Porque a vitima até agora não saberia?


A acusação evidentemente questiona diversos pontos deste julgamento, entre eles a legitimidade do uso da psicografia. Já a Federação Espírita do Rio Grande do Sul alega que a mediunidade é uma ciência reconhecida e pode ter valor jurídico.


Mas uma verdade deve ser dita, religião é uma coisa e ciência é outra, bem diferente. Não se pode sair por ai alegando que tudo é ciência, pois assim iremos acabar nas trevas da Idade Media, quando todos acreditavam em bruxas, demônios, anjos, fadas etc.

Se a carta for aceita pelo Tribunal, o caso pode abrir caminho para outras decisões semelhantes. Imagine se a moda pegar e após um crime, começarem a aparecer declarações, acusando até mesmo outras pessoas? Não vai mais existir perícia nem advogados, pois bastará um juiz chamar um médiun e as coisas facilmente serão resolvidas. Também há o lado filosófico da questão, pois se a vitima escreveu é sinal que não morreu e, desta forma, não há crime.

É muito bom lembrar que até hoje não se tem a mínima possibilidade de ser comprovado em laboratório a vida após a morte. Pode existir? Claro que sim, mas deve ser provada e comprovada exaustivamente e sem sombra de dúvida, antes de virar uma ciência e assim servir como auxiliar na solução de crimes. Na verdade, a melhor saída é deixar os mortos em paz no mundo deles e tratarmos nós de nossos problemas terrenos.


Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
Viamão Hoje
viamao - RS



Comentários
01
Reporte abuso
Henry
rj 15/11/2009

Isso é falta do que fazer. Com certeza, esse tribunal não julga nada há muito tempo, mas os salários e aposentadoria estão em dia. Salve BRASIL!


 
02
Reporte abuso
nois é nois
nois 13/11/2009

Em tempo, assisti a reportagem e alguém fez críticas, pois o morto em questão era um homem culto, mas a caligrafia!!! Era igual a "NOIS", mas falsa que nota de três real!


 
03
Reporte abuso
nois é nois
""nois"" 13/11/2009

Com todo respeito a qualquer religião, mas é o fim da picada, incompetência pura e genuína. Vai que a moda pega... Tivemos, no decorrer dos tempos, crimes insolúveis por décadas. Nunca apareceu ninguem psicografando nada!! Estamos na era da internet. Cadê a evolução humana apregoada pelos intelectuais? É ruim!


 
04
Reporte abuso
Viamão Hoje
viamao 12/11/2009

Deve passar agora, 19h55h na BAND!!!


Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br